Adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe dizem não ao trabalho infantil

Quinta-feira, Junho 17, 2021

Adolescentes e jovens da região se uniram para divulgar, por meio de novas formas de comunicação como o TikTok, os desafios que enfrentam no contexto da pandemia e sua visão de futuro do trabalho.

No marco do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, a América Latina e o Caribe aderiram à campanha global com um evento virtual intitulado "#ChallengeAccepted: adolescentes e jovens enfrentando o trabalho infantil", organizado pela Iniciativa Regional América Latina e Caribe Livre de Trabalho Infantil e Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para o Brasil.

O encontro convocou representantes de organizações juvenis da região, tanto rurais como urbanas, e outros atores envolvidos na luta contra o trabalho infantil, com o objetivo de dar visibilidade e refletir sobre a importância de levar em consideração suas experiências, compromissos e propostas a serem enfrentadas. desafios presentes e futuros para a educação e o trabalho, e assim avançar rumo ao cumprimento da meta 8.7 da Agenda 2030, que se compromete a erradicar o trabalho infantil nos próximos quatro anos.

Noemi Rosales, integrante da Associação Civil Crecer Juntos e ex-trabalhadora infantil de Tucumán, Argentina, afirmou que “quando se é pobre, os sonhos mudam na adolescência e na juventude. Passa-se do sonho com uma profissão ao sonho de pelo menos ter a segurança de um lar e poder combater a fome ”. Nesse sentido, destacou que “acompanhar e ouvir” são duas ferramentas que podem mudar a vida de meninos e meninas que vivem uma situação de vulnerabilidade que os empurra para o trabalho desde muito jovens.

Por sua vez, Henry Pilco, promotor comunitário do programa de trabalho infantil do Centro de Desenvolvimento e Autogestão-DYA, da Marcha Global contra o Trabalho Infantil, e ex-trabalhador infantil de Quito, Equador, insistiu que o trabalho infantil não é uma jogo que coloca em risco a educação e a segurança de crianças e adolescentes. E lembrou aos adolescentes e jovens que eles podem fazer a diferença se se envolverem na causa.

O evento contou ainda com a participação de Vinicius Pinheiro, Diretor Regional da OIT para a América Latina e Caribe, que destacou que a situação atual é complexa. Ele destacou que a perda de empregos, a queda da renda, o aumento da pobreza e a ampliação das desigualdades devido à crise impactam as crianças, adolescentes e jovens de todos os nossos países, que, segundo estimativas mundiais recentes de crianças trabalhadoras da OIT-UNICEF, alcançou uma redução no número de crianças e adolescentes trabalhadores até antes da pandemia, de 10,5 milhões em 2016 para 8,2 milhões no início de 2020. Um número que poderia ser revertido em uma região duramente atingida pela COVID -19 em níveis diferentes.

Da mesma forma, representantes de governos, empregadores e trabalhadores da América Latina e Caribe participaram do evento por meio do vídeo “Vozes do mundo do trabalho”. Do Brasil, Ana Maria Villa Real, Procuradora do Trabalho e Coordenadora Nacional da Coordenação do Ministério Público do Trabalho; do México, Luisa Alcalde, Secretária de Trabalho e Previdência Social; do Paraguai, Carla Bacigalupo, Ministra do Trabalho, Emprego e Previdência Social; do Suriname, Rishma Kuldipsingh, Ministra do Trabalho, Oportunidades de Emprego e Assuntos da Juventude e; do Uruguai, Pablo Mieres, Ministro do Trabalho e Previdência Social. As organizações de empregadores foram representadas por Carla Caballeros, Diretora Executiva da Câmara de Agricultura da Guatemala; e as organizações de trabalhadores foram representadas por Jordania Ureña,

O encontro foi dividido em três blocos com três representantes da juventude para cada um deles; a primeira - referente a estudos durante a pandemia - contou com a participação de Andrey Nascimento da Silva, jovem ativista da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil no Brasil; Guadalupe Díaz Labra , membro da Campanha pelo Direito à Educação do México; Paulocesar Santos Moreno , membro da Campanha pelo Direito à Educação do Peru; O segundo bloco - referente às vivências dos jovens durante as medidas de confinamento - contou com a participação de Vívian Silva Guedes Siqueira, representante da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil no Brasil; Jazmín Elena Alfaro , membro da Rede Salvadorenha pelo Direito à Educação; Karen Mosqueira , representante de ex-alunos de escolas agrícolas do Paraguai; Por fim, o terceiro bloco - referente às perspectivas sobre a pós-pandemia e o futuro do trabalho - contou com a participação de Sergio Cabrera Calvache , membro da Fundação Mundo Melhor da Colômbia, Ana Lícia Felipe Bezerra Luz , membro do Comitê Estadual de Adolescentes para a Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil no Brasil; Henry González Guevara, membro da Organização Contra-Peso do Panamá.

“Desafio aceito: adolescentes e jovens enfrentando o trabalho infantil” destacou-se pela criatividade com que cada representante dos jovens abordou essas questões e sua vinculação com o trabalho infantil, caso as medidas necessárias não sejam tomadas agora.

Entre suas propostas, destacaram que as respostas à crise levam em consideração o investimento em educação, inclusiva e de qualidade, para se qualificar, aproveitar oportunidades e ter acesso a empregos decentes. Além disso, nos lembraram que todos devemos assumir a responsabilidade de lutar por uma região livre do trabalho infantil.

Ana López Castelló, coordenadora da Secretaria Técnica da Iniciativa Regional, destacou que os adolescentes e jovens da região têm forte liderança e compromisso como agentes de mudança social para a região.

8,2 milhões de meninos, meninas e adolescentes de 5 a 17 anos trabalham na América Latina e no Caribe. 5,5 milhões realizam trabalhos perigosos.

Fonte: Estimativas Globais de Trabalho Infantil, OIT - UNICEF 2021

Nesse sentido, para que não haja mais histórias como as de Noemi e Henry, devemos apostar na inclusão de adolescentes e jovens na concepção de propostas, especialmente para a transição escola-trabalho e a inserção no mundo do trabalho. 

Em 2021, o Ano Internacional da Eliminação do Trabalho Infantil, incluindo as vozes e capacidades deste setor da população no combate ao trabalho infantil é ainda mais importante para manter o ritmo de redução, especialmente no contexto da saúde e econômica. crise que os países enfrentam. É urgente contar com o compromisso e a ação de todos e de todos para a construção de sociedades mais inclusivas e prósperas.

 

Reviva o evento aqui .

Saiba mais sobre as novas estimativas globais sobre trabalho infantil aqui .

Comentários

dvdv Avatar

dvdv há 3 semanas

dvdv